Skip to main content

Perguntas e respostas traduzidas!! (Chris)

Há relativamente pouco tempo foi anunciado que Matt, Dom e Chris iriam responder a algumas perguntas feitas no site dos MUSE e nós traduzimos as respostas do Chris para ti!!

Gostaste de jogar futebol com os fãs? É algo que estás a considerar fazer outra vez no futuro?

Definitivamente! Foi muito divertido envolver os fãs. Apesar de ter aparecido mais gente para ver do que para jogar. Voltarei a fazê-lo definitivamente.

Comentaste sobre a mudança dos lançamentos de música e a desvalorização dos álbuns. Parte A: Uma abordagem fragmentada significaria o lançamento de músicas novas mais frequentemente em forma de singles? Parte B: Considerarias o lançamento de músicas acústicas neste “formato”?

Eu não acho que possamos dominar algo no futuro. É claríssimo que a indústria musical mudou imenso e acho que os artistas têm que se adaptar a isso. Se isso significa lançar mais músicas individuais em vez de álbuns eu acho que está bem. Acho que ainda haverão álbuns, mas talvez não tão frequentes. Quem sabe. Toda a indústria muda tão rapidamente hoje em dia!

O que pensaste em ser tão popular na Europa e depois ir para os Estados Unidos e ser relativamente desconhecido? Ou gostaste de ter duas identidades diferentes, por assim dizer?

Para ser sincero até gostei. Uma das minhas tours preferidas foi a nossa primeira a sério nos EUA. Tínhamos acabado a tour europeia do Absolution em arenas e depois tocámos em locais pequenos nos EUA. Foi uma boa experiência ser uma nova banda. Havia algo muito emocionante em esgotar a arena de Wembley mas ter dificuldade em vender 800 bilhetes em Nova Iorque.

Quando completaram um álbum alguma vez pensaste que uma música precisa de ser editada ou de ajustes? Se sim, quais?

Eu nunca acho que uma música está acabada. Há sempre coisas que podiam ser feitas de maneira diferente, mas eu acho que às vezes tem que se dar as coisas por acabadas. Podes ficar maluco a pensar em todas as coisas que podiam ser feitas de melhor maneira. É melhor aprender com os erros e tentar fazer melhor para a próxima.

Que conselhos darias a algum músico iniciante que está a tentar formar uma banda ou a alguém que escreva músicas?

Eu sempre disse que o motivo principal para fazer música é o divertimento. É fantástico se um hobby se pode tornar numa carreira, mas mesmo que não se torne ainda se deve ser capaz de aproveitar o processo de fazer música.

Tens planos de trabalhar ou gravar a banda sonora de algum filme?

Não há nenhum plano sólido de momento. Ainda temos alguns concertos pela frente e penso que depois disso vamos fazer uma pausa.

Se tivesses que fazer um concerto de 5 músicas para alguém que nunca tivesse ouvido falar de ti, quais eram as que escolhias para representar quem és numa banda?

Plug in Baby
Stockholm Syndrome
Knights of Cydonia
Madness
Uprising

Os MUSE têm uma grande variedade de videoclipes. Alguns são mais visuais e alguns são levados mais a sério que outros. Que indicações é que os membros da banda dão e como é o processo de filmagem? Vocês apreciam fazê-los em geral? Há algum que se sobressaia (seja de MUSE ou não) como muito bom?

Fazer vídeos sempre foi um processo doloroso, sinceramente. Passas a maior parte do dia sentado à espera que alguma coisa aconteça. Acho que é por isso que fizemos alguns como o da Panic Station. Foi algo em que praticamente nós é que filmámos com alguns amigos e divertimo-nos a fazer. Em termos de direção, eu acho que às vezes o Matt tem uma ideia muito forte porque ele quer que algo tenha o sentido da música. Outras vezes somos muito abertos às ideias dos diretores.

As relações entre os membros da banda mudaram ao longo do tempo? Se sim, em quê? Mantêm-se em contacto quando não estão em tour ou em estúdio?

Acho que as relações mudaram mas apenas no sentido de que já não somos miúdos. Quando começámos passávamos imenso tempo juntos, mas assim que envelheces e começas a ter uma família passas mais tempo pessoal longe da banda. Passamos muito tempo quando estamos na estrada de qualquer maneira.

Durante os primeiros dias dos MUSE, a banda fazia versões acústicas das músicas dos álbuns. Algum de vocês pensa em fazer músicas em acústico no futuro, ou a banda em conjunto acha que material acústico é algo com que já se trabalhou muito?

Eu acho que a única altura em que fizemos alguma coisa em acústico foi nas nossas primeiras viagens aos EUA. Costumávamos tocar muita coisa assim em várias estações de rádio. A última setlist acústica que fizemos foi para o Jo Whiley na manhã a seguir a tocarmos no Docklands Arena. Houve alguma confusão e a partir daí nunca mais o fizemos.